Travel Executive

Baixa procura e indecisão sobre a compra em um cenário de dólar em alta e momento político conturbado têm sido empecilhos para a venda de pacotes de turismo para o final de ano, segundo agentes de viagens. Neste sentido, há pouco mais de três meses do Natal e Ano Novo, poucos brasileiros já se organizaram para o período - pelo menos é o que se reflete nas empresas do segmento. "Ainda não começaram as buscas, acredito que o pessoal está esperando as eleições passarem para conseguir se definir - dá para dizer que a procura é quase zero, e normalmente já teria começado", admite o diretor da Argus Turismo, Danilo Martins.

"A demanda está baixa, talvez porque as pessoas estejam esperando mudar este cenário político atípico, afinal ninguém sabe o que vai acontecer após as eleições", concorda o diretor de Marketing da Personal Operadora, Augusto Leite. "Em qualquer outro ano, este seria o período de início de busca por pacotes de final de ano, até porque quanto mais antecipada a compra, mais barato custa." Mas há quem já esteja ao menos pesquisando, pondera o diretor da Operadora Sepean Viagens, Bruno Gambros. "Nos últimos anos o brasileiro se acostumou a buscar os pacotes com antecedência, principalmente quando o destino é internacional."

Leite confirma que sempre tem "aqueles mais preparados", mas reforça que o volume de vendas ainda deve demorar para aumentar. De acordo com os agentes, o ideal é sempre comprar enquanto a disponibilidade estiver favorável. "Quanto mais próximo da data, maior a ocupação e consequentemente maiores valores", alerta Gambros. Ele observa que um dos fatores que mais influencia os valores das passagens aéreas é justamente a ocupação do voo. Ou seja, se o passageiro está a procura de promoção, independente do destino, talvez consiga uma passagem com desconto. "Porém, não há garantias de êxito no caso de um destino específico, em uma época tradicional de grande ocupação", completa. Martins concorda: "É questão de oferta e demanda, quanto mais gente no hotel e no avião, mais caro", sentencia, aconselhando aos que pretendem viajar, principalmente para o exterior, a pelo menos iniciarem as buscas para comparar preços, uma vez que a compra antecipada sempre é mais vantajosa.

Segundo o líder de Operações no Brasil da empresa de busca por viagens Kayak, Eduardo Fleury, no período de três a quatro meses de antecedência do Natal e Ano Novo, os preços costumam estar até 15% mais baixos. Ele afirma que, apesar do cenário político-econômico, este é o momento ideal para a compra de passagens aéreas para destinos estrangeiros. Para viagens nacionais, segundo o gestor, ainda vale a pena esperar. "A antecedência ideal de compra é de um mês", afirma. Já Danilo Martins adverte que, pelo fato de o preço do combustível para aeronaves estar em alta, o ideal é não deixar para depois. "Tudo indica que ainda vai ter aumento nos preços."   Rio de Janeiro mantém a liderança entre os destinos mais procurados para o Réveillon - Jornal do Comércio

 

Fonte: https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/economia/2018/09/649309-demanda-por-viagens-de-final-de-ano-diminui-20.html